Dicas para novos autores



















O mundo editorial está em mudança. Novos autores tornam-se publicadores, produtores e designers, a auto publicação é o futuro. As vendas online aumentam, e cada vez mais pessoas leem livros no computador ou tablet. Livros digitais ficam disponíveis para sempre e a qualquer momento se imprime um exemplar para envio (POD - print on demand) sem necessidade de fazer stock de milhares de exemplares.

Antigamente, um autor era passivo, necessitava de enviar o manuscrito à editora, mas, hoje em dia, um autor é activo e criativo, produz a obra, desenha a própria capa e formata o livro pronto para impressão numa plataforma online, enquanto que as editoras ficam com um papel secundário.



Dicas para autores emergentes:

Antes de publicar o seu livro, teste-o. Distribua algumas cópias do documento Word a amigos e familiares, e pergunte-lhes as opiniões. Afinal, eles são leitores. Assim, faz uma sondagem ao seu público. Se necessário, faça alterações e melhorias ao livro, releia uma segunda ou terceira vez, e só depois publique.
Vários autores começam por ser bloggers. Um blog é um tipo de diário ou jornal online onde o autor escreve textos, pensamentos, e os leitores interagem e postam comentários. Então, quando o autor/blogger lança um livro, ele já possui um público fiel e espaço onde divulgar o livro (blog). 
Se não tem um blog, comece hoje mesmo.
Ofereça amostras grátis do seu livro (por exemplo, 20 a 30 páginas) para download. 
Existem plataformas para isso mesmo, como o Wattpad, PDF Drive ou Issuu.
Uma outra dica é fazer promoção a outros livros, dentro do seu próprio livro. 
Nos meus livros, em alguns parágrafos, eu deixo a sugestão ao leitor: “Leia o meu outro livro: título”, e deixo links para os meus sites na última página.



Vantagens e desvantagens de uma editora convencional:
Uma editora dá mais destaque e protagonismo, e coloca o seu livro nas livrarias do país. Porém, existem desvantagens também. Você ganha uma comissão dos direitos autorais que varia entre 10 a 11% e recebe após seis meses ou um ano. Mas o livro não dura para sempre nas livrarias. 
Após um ou dois anos, se não for reeditado, as vendas terminam, e a editora pode alegar que as livrarias devolveram alguns exemplares ou que as vendas caíram, não reeditando o livro. 
Livros físicos são limitados ao número de exemplares, por isso, se publicaram três mil livros, por exemplo, um dia estes acabarão.

Porém, numa plataforma online POD (print on demand) como a Amazon, o seu livro dura para sempre, existe uma cópia digital e eles imprimem consoante vão surgindo encomendas, sem necessidade de stock. Cada vez que um utilizador compra o livro, eles imprimem e enviam para casa. E, se for em formato e-book (EPUB ou MOBI), os clientes fazem download e leem no Kindle
O seu livro dura para a eternidade e as comissões também.



















Não se limite a vender o seu livro apenas numa plataforma (Amazon ou CreateSpace, por exemplo), venda-o na maior variedade de plataformas possível, seja Amazon, Kobo, Barnes & Noble, Smashwords, Escrytos ou até mesmo no eBay.




Coloque algumas imagens ou ilustrações de tantos em tantos parágrafos, para fazer o leitor pensar ou distrair-lhe um pouco. Assim, a escrita não fica tão cansativa. Centenas de páginas só de texto torna-se monótono.



Crie uma versão áudio (audiolivro).
Embora existam softwares que convertem texto para áudio (como o balabolka), não aconselho. 
O software não reconhece certas expressões, nem criará uma conversa áudio fluída e legível. Além disso, a “voz” é robotizada. Softwares com voz quase humana são demasiado caros (acima dos 300€). Assim, recomendo uma voz humana real (de uma pessoa).
Os profissionais que gravam voice over custam muito dinheiro. Alguns cobram 40€ por cada meia hora de gravação e um livro demora muitas horas a ser lido. Aconselho convidar um amigo(a) que esteja disposto a gravar o livro enquanto o lê. Obviamente, fazendo pausas (dividindo os vários capítulos por dias). Deverá utilizar um gravador de voz com qualidade (que grave no formato mp3 a 320kbps ou wav).

Um amigo, com vontade de ajudar, pode cobrar um preço mais acessível (por exemplo, 50 ou 60€). Ou pode sempre oferecer-lhe um jantar e o exemplar do seu livro. Estabeleçam um acordo.



Inspiração:
Nem sempre temos inspiração. Não puxe pela cabeça quando as ideias não surgem.          
A escrita poderia ficar muito forçada e sem graça. Aguarde alguns dias e, quando se sentir inspirado(a), escreva com entrega e paixão. As palavras saem até mais bonitas. 
Eu nunca tenho pressa. Escrevo um livro aos poucos, chego a fazer pausas de semanas, não tenho um prazo a cumprir. Demorei quatro anos para escrever um dos meus livros. 
Cada vez que o relia, fazia alterações, cortes, melhoramentos. Uma das ferramentas mais importantes dum escritor é o seu cérebro, a memória, a atenção. Portanto, é fundamental ter algum cuidado. Durma o número de horas suficientes, evite o stress, coma frutos secos. 
Nozes e pevides contêm zinco, ómega 3. Peixe também é uma fonte de ómega 3. Todos estes são nutrientes que fazem bem ao cérebro.
Busque inspiração em música, e em filmes relacionados ao tema seu (seja um romance, um thriller, ficção científica, ocultismo). Veja muitos filmes, por vezes proporcionam boas ideias.
Leia dicionários online ou websites de significados e sinónimos. 
Ajuda a substituir algumas palavras por outras mais atraentes, enriquecendo o vocabulário.


Não desista nunca!
Se escreveu um livro e o público não está a aderir como esperava, não desista. Escreva mais livros. 
A maioria dos escritores famosos não teve sucesso logo no início, somente após alguns anos.



De que forma alguns autores financiam a sua obra?
Alguns solicitam apoios (seja por parte de empresas, câmaras municipais, associações culturais, etc.) ou pequenos donativos, fazendo menção a essas entidades e agradecimentos no livro ou acrescentando os seus logótipos. Outros autores fazem uma poupança (pé-de-meia) durante meses. Há quem solicite um empréstimo bancário ou recorra a business angels (investidores). Enfim, as opções são enormes.                         
Outros recorrem a campanhas de crowdfunding online. Não consideramos esta última opção particularmente prática. Afinal, se o montante pré-estabelecido não for alcançado até ao prazo limite, o dinheiro é devolvido aos membros financiadores inscritos no site e todo o esforço terá sido em vão.


Truques:

Ghostwriter:                                                                                                                                  
O que é um ghostwriter (escritor fantasma)? É uma pessoa que escreve na sombra, o livro para outrem. O seu nome não surge na capa como autor do livro.                            
Muitas celebridades não têm jeito para a escrita, ou tempo livre para escreverem, mas gostariam de lançar um livro. Contratam então, um(a) ghostwriter. Alguns famosos lançam vários livros num ano (o que é suspeito, pois um livro demora meses a ser escrito e aperfeiçoado), recorrendo por isso a vários ghostwriters. Alguns desses escritores “sombra” cobram cerca de 40 dólares por página.


PLR:                                                                                                                                       
Outro truque que algumas pessoas utilizam é a compra de e-books já escritos, mas com direitos de marca própria (Private label rights). Depois, alteram somente o título do livro e alguns parágrafos. 
É uma solução white label, rebranding.                                                        
É por isso que, existem tantos livros de autoajuda e de temática esotérica, que parecem todos iguais entre si. O autor (que, na verdade, não é autor, não o escreveu, apenas comprou o e-book) nem sempre domina o assunto. Caso experimente, enviar-lhe um email com questões sobre o livro, o mais provável é não obter respostas claras.

Article rewriter:                                                                                                                         
Outros “autores”, caso não encontrem um e-book com PLR sobre o tema desejado, fazem copy+paste de vários artigos na internet. Depois, modificam alguns parágrafos ou o sentido das frases, recorrendo a softwares de reescrita (article rewriters).                      
O resultado é uma escrita, confusa, ou sem nexo, à semelhança de algumas traduções automáticas do Google tradutor.

Evite a preguiça. Algumas pessoas não têm talento ou vontade de escrever e preferem comprar livros já feitos com PLR (Private Label Rights, direitos de marca própria) e apenas mudam o título e capa. Isso seria enganar os seus leitores. Um leitor ávido que seja pesquisador do tema e leia vários livros irá perceber e dirá: “eh, pá, já li isto noutro livro, isto é uma cópia”. 

Então, perde a credibilidade, o seu livro será apenas “mais do mesmo”. Além disso, sites como a Amazon possuem algoritmos que detectam o texto desses e-books que você submete e detectam se é igual a outros. Eles costumam banir e-books, PLR e os utilizadores. Jamais conseguirá vender novamente na Amazon. Entende o risco?

Escreva conteúdos originais. O leitor, ao longo de vários livros seus, vai percebendo o seu estilo de escrita, vai ficando admirador e um dos grandes factores da venda de livros é a publicidade de boca em boca.


Considere fazer traduções do seu livro. É sempre bom para se internacionalizar e aumentar o número de potenciais clientes. Repare, se vender um livro em português, irá vender a leitores de Portugal e do Brasil, imagine, 500 livros. Mas se tiver uma versão em inglês, irá vender para Inglaterra, EUA e para outros países (pois a língua inglesa é uma língua universal). Então, poderá vender 600 ou 700 livros.
Não necessita fazer isso de uma vez, pode ser um projecto a longo prazo. Após um ano, traduz para inglês (ou paga a um tradutor) e, no ano seguinte, lança a versão em francês, por exemplo. É um investimento em si próprio, recorde-se!

Sem comentários:

Enviar um comentário